Após críticas, OMS desiste de incluir velhice em lista doenças

DEZ 17, 2021

Constança Tatsch - O Globo. Confira matéria original aqui.



SÃO PAULO — Após meses de intensa articulação e forte presença nas redes sociais, a Organização Mundial de Saúde decidiu que o código “Velhice” será retirado da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID), versão 11, mantida pela OMS.


O anúncio foi feito pela direção da divisão que coordena a iniciativa Década do Envelhecimento Saudável, da organização.

Setores ligados ao envelhecimento temiam que a inclusão de “velhice” na CID mascarasse problemas de saúde reais para a terceira idade, aumentasse o preconceito contra idosos e interferisse no tratamento e na pesquisa de problemas de saúde e na coleta de dados epidemiológicos.


Agora, no texto aprovado, a expressão “velhice" será substituída por “envelhecimento associado a declínio na capacidade intrínseca”.


O epidemiologista Alexandre Kalache, do Centro Internacional de Longevidade, e também presidente da Aliança Global de Centros Internacionais da Longevidade, foi um dos líderes na articulação contra o uso do termo “velhice” e comemora a mudança.


— Estou muito feliz com essa reviravolta. Não foi fácil, mas deixar que velhice passasse como doença é passar o idadismo. É uma vitória também em relação à indústria anti envelhecimento que usaria o código para justificar intervenções, muitas vezes sem evidências cientificas. Tem muita gente rica que quer beber da fonte da juventude eterna e tem muito charlatão — afirma.


Apesar de satisfeito com a alteração, para Kalache o novo código ainda não claro ou abrangente como deveria. Ele defende a criação da síndrome de fragilidade, que pode ser aferida por maneiras concretas (como verificar quanto tempo uma pessoa leva para percorrer 15 metros, a força muscular das mãos ou uma avaliação após subir uma escada) e não está atrelada apenas à idade.


— Já foi difícil tirar velhice, então vamos deixar como está e gradualmente começar a trabalhar um conceito de fragilidade que pode entrar como um código adicional. Essa síndrome não depende penas da idade e genética, mas abre margem para determinantes sociais da saúde — diz o epidemiologista.


Assim, o movimento #velhicenãoédoença continuará estimulando o debate público sobre as implicações do termo que substituirá a palavra ‘velhice’ na CID-11.


Entenda a CID

A CID existe desde 1900 e vigora em sua décima edição, mas a CID 11 já foi elaborada e está em fase de ajustes. É nela que entrará o código MG2A, que se refere à velhice. A nova versão passa a valer em janeiro, com prazo de três anos para ser implementada.


Espécie de guia de linguagem médica, com detalhamento de doenças, sintomas e condições, a CID é usada para classificar as causas de internação de pacientes e de morte nos atestados de óbito. Para os especialistas, a inclusão equivale a classificar oficialmente velhice como doença.


0 visualização0 comentário