Como criar uma ponte entre as gerações no trabalho por meio da linguagem digital

SET 14, 2021

Redação - Administradores.com. Confira matéria original aqui.


Nada menos que 4 diferentes gerações estão convivendo em um mesmo ambiente profissional atualmente.



Com o mercado de trabalho mais diverso do que nunca, pela primeira vez na história recente temos 4 gerações convivendo no mesmo ambiente profissional. Essa diversidade oferece oportunidades para inovar mas também traz desafios, especialmente quando se quer envolver os colaboradores pela comunicação.


Segundo estudo do Holmes Report, as falhas de comunicação que levam a mal-entendidos chegam a custar US$ 37 bilhões nos Estados Unidos.


Como dizia o teórico Marshall Mcluhan, "o meio é a mensagem"; por isso, para perceber como cada nova geração comunica, é importante identificar quais são os meios de comunicação preferidos por cada grupo:


Baby Boomers: eles são considerados os imigrantes digitais. Acompanharam a evolução da telefonia fixa para o celular. Preferem conversas cara a cara e o uso do telefone por voz. Embora tenham adotado o e-mail, o utilizam como uma forma de substituição dos memorandos;


Geração X: testemunharam grandes transformações e o surgimento da linguagem digital no início da vida adulta. 80% deles, de acordo com levantamento da Level One, preferem o e-mail, embora adotem uma postura mais objetiva na escrita. No entanto, 86% da Geração X verifica as caixas de correio físicas com frequência;


Millennials: os millennials mais velhos lembram-se da vida sem celular e internet. 55% deles, segundo a Level One, preferem se comunicar via direct message, 28%, por e-mail, 14% preferem se falar cara a cara e 3% por voz;


Geração Z: os nativos da linguagem digital são notórios adeptos das mensagens instantâneas, mas, por outro lado, várias pesquisas indicam que preferem se comunicar presencialmente. De acordo com um estudo da Concordia University, de Saint Paul (EUA), 40% esperam ter interações diárias com seus respetivos chefes, caso contrário entendem ter feito algo errado.


Essa transformação dos meios ao longo das gerações está, de fato, tornando a nossa escrita mais informal, como demonstra uma recente pesquisa da Babbel Idiomas. Algumas das gírias mais populares do mundo digital foram incorporadas à comunicação das empresas, e o imediatismo das relações online fez com que muitas abreviações informais também passassem a ser adotadas com naturalidade nos escritórios.


Emojis


Com o crescimento do uso do WhatsApp e das redes sociais no ambiente corporativo, até mesmo os chamados emojis se tornaram gírias visuais bem difundidas, passando a fazer parte da linguagem digital das empresas. Seu uso no trabalho também tem tudo a ver com a geração dos interlocutores.


Porém, outras duas pesquisas conduzidas internacionalmente, uma pela Universidade Ben-Gurion, de Israel, e outra pela Universidade de Amsterdã, com aproximadamente 500 participantes cada, concluíram que o uso de emoji no ambiente de trabalho "refletia negativamente na percepção de competência".


Para saber como as empresas brasileiras reagem ao emoji, o Survey Monkey Brasil coordenou um estudo semelhante. Segundo o levantamento, 46% dos jovens (18 a 29 anos) do país acreditam que seja adequado usar emojis no trabalho, somente 28% consideram-nos inadequados, e 53% deles os adotam para serem engraçados. Por outro lado, profissionais com acima de 45 anos de idade têm maior probabilidade de afirmar que o uso de emojis nesse contexto transmite uma imagem antiprofissional.


Portanto, existe uma clara separação entre as antigas e a nova geração quando o tema envolve o uso de recursos na linguagem digital. Com isso em mente, a Babbel Idiomas reuniu algumas dicas para melhorar a comunicação aproximando millennials, Geração X e Baby Boomers:

  1. Reconheça a linguagem de cada geração - Além da linguagem, reconheça as características de cada geração. Evite generalizações como "todos vão fazer isso" ou "pessoas da sua faixa etária não entendem".

  2. Reconheça as mudanças - Elas são a única constante. Ouça e respeite os receios e preocupações de cada um.

  3. Storytelling - Conhecer e partilhar as histórias de cada pessoa aproxima as equipes, gera um interesse mútuo, o que diminui as críticas e o julgamento.

  4. Mentorias entre gerações - Aposte em mentoria entre as gerações. A nova geração pode dar mentorias sobre o uso de tecnologias, enquanto os mais sêniores da equipa podem partilhar o seu conhecimento sobre soft skills, condução de apresentações e interações presenciais.

  5. Encontros presenciais, quando possível - Servem para espalhar a mensagem. Devem incluir atividades que permitam partilhar os valores e a cultura das gerações.

  6. Escolha o meio adequado ao público e à mensagem

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

MAR 26, 2022 António Ferraz - Correio do Minho. Confira matéria original aqui. A economia da longevidade é um dos mais recentes ramos da ciência económica que surge, por um lado, como resultado da mel