Eu vô: a startup com motoristas treinados para prestar suporte para quem tem 50 anos ou mais

FEV 12, 2022

Instituto de Longevidade MAG . Confira matéria original aqui.


Imagine a seguinte situação: você está com mais de 70 anos e precisa realizar um exame, mas tem dificuldade de locomoção e não tem quem possa te acompanhar. Esta é uma realidade de muitos. Afinal, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) e divulgada em 2021, 37,7 milhões de brasileiros têm 60 anos ou mais. Identificando esse problema, surge o aplicativo de transporte Eu Vô, com a proposta de dar autonomia aos idosos.


Os aplicativos de transporte já estão presentes na vida de muitas pessoas. Mas aqueles que têm mais de 60 anos, em alguns momentos, precisam de um atendimento diferenciado. O app Eu Vô oferece não apenas o serviço de um motorista exclusivo, como também de um acompanhante em tarefas do cotidiano.


Eu Vô: o uso da tecnologia a favor das pessoas cima dos 50 anos

Proporcionar autonomia é oferecer liberdade. E uma das formas de conquista-la é através da tecnologia. De acordo com Gabriel Barboza, cofundador da Eu Vô, a tecnologia “além de trazer mais comodidade em diversas frentes do nosso cotidiano, pode ajudar pessoas que dependem de terceiros para desenvolver suas atividades, principalmente as que envolvem mobilidade”.


O aplicativo é uma forma de conectar pessoas ao mundo. Principalmente aqueles que possuem alguma dificuldade motora.

“Com a tecnologia essa população pode contratar serviços como a Eu Vô para continuar com seus compromissos de lazer e saúde, contando com motoristas capacitados, atendimento humanizado e segurança de porta a porta.”

Crédito: Myibean/shutterstock


Por que proporcionar autonomia é tão importante?

O direito de escolha é algo que todos deveriam ter. Contudo, quanto mais velhas as pessoas começam a ficar, menos ouvidas são. Um processo de envelhecimento ativo requer o conjunto de diversos fatores e a liberdade de escolha é um dos principais pontos para isso.


Enquanto independência está atrelado à capacidade física, o que, muitas vezes é limitada pela idade, a autonomia lida com outros pontos. É sobre a tomada de decisões e escolha de como lidar com determinadas situações ou emoções.


Quem nunca viu um filho escolher o que era melhor para os seus pais idosos? Desconsiderar as vontades e acreditar que uma pessoa com mais de 60 anos não tem capacidade de pensar é retirar o direito de escolha. Um processo negativo para a saúde mental de qualquer pessoa.


Ao proporcionar autonomia, é possível envelhecer de forma mais lúcida e ativa. Porém, uma pessoa com 60 anos ou mais pode ter autonomia com a restrição de mobilidade. Por isso, iniciativas que oferecem suporte para promover independência são fundamentais.

Gabriel comenta que:

“Toda a nossa plataforma foi pensada para devolver a autonomia para público. Esse é nosso propósito, trazer autonomia e empoderamento para a população sênior, com mobilidade reduzida ou algum tipo de deficiência.”

Seja para o lazer, compromissos familiares ou médicos, ter a liberdade de escolher como será a sua rotina é essencial no envelhecimento saudável.


Como a Eu Vô funciona?

De forma simples e prática, para usar o app Eu Vô basta se cadastrar e agendar o serviço. Diferente de outras plataformas de transporte, na Eu Vô, todo o atendimento deve ser solicitado com antecedência, de acordo com os seguintes passos:

  • Baixe o aplicativo na Play Store ou na Apple Store para realizar o cadastro e escolha sua forma de pagamento.

  • Com o itinerário, horário e detalhamento, caso precise de acompanhamento durante a atividade, fique sabendo o valor estimado e agende a corrida com antecedência de no mínimo 3 horas pelo app, ou WhatsApp em horário comercial.

  • Um motorista parceiro irá buscá-lo para o compromisso e ajudar com o que for preciso durante todo o serviço.

Segundo Gabriel, toda a plataforma é pensada para facilitar o uso de pessoas com 50 anos ou mais. Afinal, segurança, praticidade e bem-estar devem andar juntos. Ou seja, todas as informações coletadas são usadas para que os motoristas possam oferecer um serviço ainda mais personalizado.


Por exemplo, uma pessoa que precise sair de casa para fazer um tratamento de hemodiálise ou quimioterapia necessita de um cuidado diferenciado.

“Nos preocupamos com nossos passageiros desde o cadastro, coletamos informações de saúde para que nosso motorista parceiro preste um serviço adequado e personalizado para cada caso.”

Um negócio inovador sempre tem desafios

Mesmo que a iniciativa tenha surgido para promover mais liberdade e independência, todo negócio possui desafios. Gabriel destaca que o maior deles é alcançar as pessoas com 50 anos ou mais.


Neste momento, a Eu Vô atua apenas nas cidades de São Paulo e São Carlos, em SP. Por isso, a expansão é um dos principais focos, segundo Gabriel. Para, assim, atingir mais pessoas para beneficiar quem necessita.

2 visualizações0 comentário