Idosos saudáveis e ativos: especialista de Maringá reforça cuidados para envelhecer bem

MAI 31, 2022

Redação - GMC Online. Confira matéria original aqui.


Foto: Ilustrativa/Freepik


A pandemia aproximou todos da ideia da morte. Crianças, jovens, adultos e idosos ficaram frente a frente com a possibilidade de finitude; os idosos, por questões naturais, ainda mais. Segundo artigo publicado na Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia em 2021, os idosos apresentam-se como população de risco para as síndromes respiratórias agudas graves, e, portanto, precisam de um olhar atento sobre a sua condição de saúde. O material destaca que, conforme estudos, são relatados diferentes graus de disfunções físicas, respiratórias e psicológicas em pacientes com Covid-19, especialmente entre os idosos.


A estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que o número de pessoas com idade superior a 60 anos chegará a 2 bilhões até 2050, o que representará um quinto da população mundial. O aumento da expectativa média de vida também aumentou acentuadamente no país e isso precisa ser acompanhado da melhoria ou manutenção da saúde e qualidade de vida. O envelhecimento deve, portanto, ser vivido em sua plenitude. É uma etapa de colher e principalmente valorizar e aceitar sua própria história de vida. É o que destaca a psicóloga especialista em Neuropsicologia e diretora clínica do Centro de Saúde do Cérebro de Maringá (CISC), Mariangela Gamba Maestri.


“Nesse momento, cabe sabermos como podemos passar por isso da melhor forma… como nos amar e principalmente como dizer sim para as grandes possibilidades que se abrem. O dizer sim ao projeto que havíamos pensado na adolescência, na juventude e na fase adulta. O dizer não aos filhos, netos, ou pessoas que de uma forma ou de outra querem nos cuidar em excesso, nos boicotar, por temerem nossas escolhas e ainda aqueles que podem e desejam explorar a condição que tanto batalhamos para alcançar. Aqui cabem os nãos! Aprender aquele idioma, aprender a dançar, fazer curso de paisagismo e escrever aquele tão sonhado livro. Para isso precisamos aprender a lidar com a aposentadoria. Já pensou nisso?”.

Em seu “Manual para envelhecer saudável”, organizado em forma de e-book, a especialista destaca que, de acordo com o Ministério da Saúde são consideradas idosa nos países em desenvolvimento pessoas a partir dos 60 anos e nos países desenvolvidos as pessoas acima de 65 anos. Essa diferença pode ser explicada pela qualidade de vida existente em cada país. “Essa idade, em anos, nem sempre corresponde à idade biológica, que é aquela que representa o ritmo do envelhecimento”, de acordo com publicação feita pelo Ministério da Saúde. Veja abaixo alguns aspectos fundamentais para o envelhecimento saudável descrito pela profissional.


  • Pensar na aposentadoria – Elaborar um plano com base nos seguintes aspectos:

  • Aprender a lidar com as finanças para poder manter o padrão de vida, manter a assistência médica, organizar os documentos (pessoais, bancos, propriedades). Resolva pendências, salve suas senhas, mantenha os hábitos de lazer. A saúde não pode ser negligenciada. Aqui cabe pensar na atividade física, na alimentação, no aprendizado, manter o cérebro saudável.

  • Médico: check-up anual, acompanhamento com geriatra e demais profissionais de saúde.

  • Atividade física: praticar atividade física, caminhada, natação, alongamento, dança. Vale fazer o que gosta, mas a palavra de ordem é fazer… não pode ficar parado.

  • Alimentação: acompanhamento com nutricionista para saber o que pode e o que não pode comer, conhecer seu metabolismo e cuidar para não deixar que o organismo fique desnutrido.

  • Psicológico: buscar o autoconhecimento: cuidar das emoções. Não deixe de sonhar, aprenda a lidar com aquilo que fez parte da sua vida, suas conquistas (seu orgulho, suas potencialidades), lide com os fracassos (aprendizagem, fragilidades, os lutos, perdas). É preciso lidar com as questões vividas e conquistar efetivamente a segurança de ser quem é.

  • Social: Estar próximo de pessoas que nos fazem bem, viajar, frequentar clubes, dançar, praticar esportes, visitar, aprender um novo idioma, participar das mídias sociais, grupos, encontrar aquele amigo da infância, localizar o colégio que estudou, organizar encontros de turma, participar de projetos sociais (se sentir útil, ter valor), fazer o bem, ser do bem, sem esperar nada em troca, somente SER.

  • Espiritualidade: ter ou não religião, mas compreender o sentido da vida, dar valor, motivar-se.

  • Profissional: cabe o pensar em outra profissão (florista, modelo, fotografia, leitor para crianças e ou em hospital), aquela que você gostaria de ter exercido, mas não pôde… cabe conhecer o novo e ter novas experiências.


Porque o cuidado com a alimentação no envelhecer Com o passar dos anos, o corpo começa a apresentar naturalmente algumas mudanças, que muitas vezes as pessoas demoram a perceber, mas que podem interferir na alimentação. Tornar o ambiente da cozinha e o local de refeições mais adequado e agradável para conferir maior conforto, segurança e autonomia no dia a dia das pessoas idosas é uma medida que tem impacto positivo na autoestima, no preparo das refeições e no estabelecimento do prazer à mesa. É preciso tratar a alimentação de maneira mais prática, com ênfase nas medidas associadas ao preparo e ao consumo das refeições diárias. O que é uma alimentação saudável? Alimentação saudável é uma dieta bem equilibrada, que fornece os nutrientes, vitaminas e minerais nas proporções adequadas para o bom funcionamento do organismo. Para que uma alimentação seja saudável, é importante ter variedade, equilíbrio, controle de quantidade (comer o que lhe é adequado) e qualidade dos alimentos, ou seja, conhecer a procedência dos ingredientes é uma das formas de conseguir uma alimentação saudável. Alimentos industrializados contêm muitos aditivos, conservantes e gorduras, além de ultra processar os alimentos, fazendo-os perder grande parte dos seus nutrientes. Não é à toa que a busca por uma alimentação saudável e o combate contra a obesidade têm trazido à tona discussões favoráveis aos alimentos orgânicos e ao consumo de alimentos locais, de acordo com a estação. Os passos descritos abaixo foram retirados na íntegra do Guia Alimentar para a População Brasileira, disponível no site do Ministério da Saúde. Confira:


  1. Fazer de alimentos in natura ou minimamente processados a base da alimentação

  2. Utilizar óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias

  3. Limitar o consumo de alimentos processados

  4. Evitar o consumo de alimentos ultra processados

  5. Comer com regularidade e atenção, em ambientes apropriados e, sempre que possível, com companhia

  6. Fazer compras em locais que ofereçam variedades de alimentos in natura ou minimamente processados

  7. Desenvolver, exercitar e partilhar habilidades culinárias

  8. Planejar o uso do tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece

  9. Dar preferência, quando fora de casa, à locais que servem refeições feitas na hora 10.Ser crítico quanto a informações, orientações e mensagens sobre alimentação veiculadas em propagandas comerciais.

Alguns benefícios de ter uma alimentação saudável são: • Manutenção de um peso saudável • Bom funcionamento do intestino • Prevenção de doenças cardiovasculares • Controle de doenças como diabetes e hipertensão • Prevenção do câncer • Combate contra doenças mentais, como depressão • Melhora as funções de aprendizado e de memória


Atividades para o cérebro – exercícios para o cérebro, também chamados de neuróbicas ou neuroatividades

Mariangela destaca que o cérebro é um órgão que necessita de estímulos para se manter saudável. “Anteriormente citamos as questões relacionadas ao cuidado com a qualidade de vida, alimentação e agora daremos algumas dicas sobre como exercitar o cérebro com atividades para melhorar e prevenir o declínio da atenção, concentração, memoria, velocidade dos raciocínios, flexibilidade e outras funções que são necessárias para o bom desempenho das funcionalidades desse órgão”, diz.


O cérebro precisa de estímulos diversos com repetição, mas, com grau de dificuldades crescentes. Confira algumas dicas:


  • Praticar respiração consciente: respire contando até sete, segure o ar contando até sete, expire contando até sete e fique sem respirar contando até sete.

  • Tomar Banho no escuro: entre no banheiro e apague a luz (cuidados com tapetes, e ou portas de vidro). Esse procedimento auxilia nos outros órgãos do sentido.

  • Troque as gavetas de lugar: dessa forma você terá que forçar sua memória para saber onde você as colocou, principalmente as gavetas mais utilizadas (talheres, calcinhas, cuecas, por exemplo).

  • Escovar os dentes e ou pentear o cabelo: utilize a mão contrária da dominante, se você é destro utilize a esquerda e se você é canhoto utilize a direita.

  • Relógio: se você utiliza relógio, troque-o de pulso.

  • Lista do mercado: faça a lista de mercado, sem anotar, criando por exemplo uma história com os itens que precisa comprar. Criar histórias e gerar emoções favorecem a memória.

  • Roupas: troque de roupa com os olhos fechados.

  • Palavra: aprenda e decore uma palavra nova por dia (com significado, como ela é escrita)

  • Objeto: ao ver um objeto, pense em outras maneiras diferentes para utilizá-lo, diferente da função origina para qual ele foi criado. Exemplo: o tijolo é um material de construção, mas serve para escorar uma porta, serve de palanque.

  • Comida: sempre que possível, experimente uma comida diferente, sinta o aroma, a textura e o saber, depois descreva essas sensações e percepções.

  • Caminhos: faça caminhos diferentes para ir a lugares comuns, como trabalho, mercado e escola.

  • Idiomas: aprenda novos idiomas.

  • Faça amigos: novos e antigos. Busque saber nome completo, datas de aniversários, as preferências, e marque conversas, presenciais e online.

“Existem muitas atividades. Esse material busca oferecer dicas, mas não se encerram aqui os cuidados com o cérebro. Essa questão deve ser refletida, em todas as escolhas que fazermos, para nos manter saudáveis”, destaca Mariangela.


Sobre o CISC O Centro de Saúde do Cérebro existe desde 2008 em Maringá e atende um público a partir dos seis meses com vários tipos de terapias, treinamentos e técnicas. A ideia do Centro foi da psicóloga especialista em Neuropsicologia e diretora clínica do CISC, Mariangela Gamba Maestri. Recentemente, o CISC se vinculou ao Centro Dia de Apoio ao Idoso, um local para que a família possa levar o idoso para passar o dia e que, além disso, oferece um atendimento voltado à preservação e promoção das habilidades físicas, sociais e cognitivas dos idosos. Mariangela Gamba Maestri.

0 visualização0 comentário