‘Não podemos entregar os pontos’, diz idosa que mudou hábitos

FEV 28, 2022

Pedro Nascimento - O Tempo. Confira matéria original aqui.


Melhorar a vida dos que estão na terceira idade é meta da Década do Envelhecimento Saudável, iniciativa da OMS. Centro de Referência da Pessoa Idosa, em BH, dá orientações e oferta atividades


Aos 71 anos, Rita se exercita todos os dias | Foto: Fred Magno


Manter a cabeça ativa e os exercícios físicos em dia sempre foi uma meta para a aposentada Rita Falzoni, 71, que frequenta o Centro de Referência da Pessoa Idosa, em BH, desde 2013. Com a pandemia e a necessidade de isolamento, em 2020, o desafio dela aumentou, mas a rotina – agora online – se manteve firme.


“Faço todas as aulas na internet: trabalhos manuais, teatro, pintura. Procuro não ficar ociosa em momento algum. Mesmo em casa, faço meus exercícios e sigo me cuidando”, conta Rita.


Mas nem sempre foi assim. A aposentada disse que a mudança de hábitos veio com problemas de saúde, que a preocupavam. “Estava meio depressiva, passando por várias situações de saúde e até com problemas de memória. Foi graças ao convite de uma amiga, que me apresentou o centro, que eu consegui seguir”, lembra. “Não podemos entregar os pontos de jeito algum”, conclui.


Renata Martins, diretora de Políticas para Pessoas Idosas da Prefeitura de Belo Horizonte, explicou que manter a oferta rotineira de aulas e exercícios para a terceira idade faz parte das diretrizes estabelecidas em 2020 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) ao definir a Década do Envelhecimento Saudável – celebrada entre 2021 e 2030. A iniciativa da entidade internacional objetiva melhorar a vida dos idosos, de suas famílias e comunidades.


Centro de Referência da Pessoa Idosa

“Estamos nos organizando para oferecer (as diretrizes) à terceira idade de BH. Já temos atividades no Centro de Referência da Pessoa Idosa (no bairro Caiçara) e na Academia da Cidade”, detalhou a diretora.


Segundo Renata, outro foco está na alimentação da população idosa. Em palestras feitas em parceria com a Secretaria Municipal de Segurança Alimentar, os grupos de convivência são orientados sobre como comer de forma mais saudável.


No Centro de Referência da Pessoa Idosa, frequentado por cerca de 1.200 pessoas por mês, algumas atividades já voltaram a ser presenciais, mas parte das oficinas se manteve online para atender quem ainda não se sente seguro para sair de casa. As atividades são gratuitas.


Intervenção na alimentação deve ser criteriosa A alimentação também é ponto fundamental para evitar o sobrepeso e a obesidade na terceira idade. Os cuidados que eram tomados na vida adulta devem continuar, mas com algumas diferenças, explicou Ann Kristine Jansen, professora do Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).


“O idoso precisa de um pouco mais de proteínas, pois, no envelhecimento, é comum a perda de massa muscular, é um processo natural. Mas, se isso não for cuidado, a pessoa pode desenvolver sarcopenia, uma doença que debilita muito o idoso e pode trazer perda funcional”, explicou.


Perda de massa muscular

De acordo com Ann Kristine, para os idosos que sofrem com a obesidade e o sobrepeso, a intervenção deve ser feita com cuidado. “Em um adulto, é possível adotar uma dieta restritiva para fazê-lo perder peso, mas, no idoso, é diferente. Se as calorias ingeridas diariamente forem muito reduzidas, por exemplo, aumenta-se o risco de ele perder massa muscular, o que pode agravar o quadro e torna o tratamento muito mais complexo”, analisa.

A especialista alertou que toda alteração na dieta deve ser monitorada por um profissional da saúde e que receitas e diagnósticos variam caso a caso.



3 visualizações0 comentário