Videogame depois dos 60, sim

ABR 15, 2022

Ingrid Luisa- Veja Saúde. Confira matéria original aqui.


Levantamento revela que cada vez mais idosos estão se aventurando nos jogos digitais. E isso pode ser bastante positivo para eles.


Cresce o número de idosos que jogam videogames. Foto: Uladzislau Salikhau / EyeEm/Getty Images


Uma pesquisa global da consultoria Euromonitor sobre o uso de tecnologias na faixa dos 60+ aponta que 82% desse público tem acesso a smartphones, 45% já utiliza aplicativos de bancos e, lá vem o dadoque mais chama a atenção, 21% deles já são adeptos de videogames e jogos virtuais.


E o hábito pode, sim, ser vantajoso para os mais maduros — desde que sejam respeitados limites de tempo e gostos pessoais.


“Games e atividades online podem melhorar a saúde no envelhecimento. Isso porque habilidades cognitivas como percepção, controle de atenção e tomada de decisões são mais apurados em pessoas que jogam, inclusive idosos”, afirma o geriatra Rubens de Fraga, membro da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG).


Mais dados da pesquisa. Gráficos: Laura Luduvig/SAÚDE é Vital

O médico também conta que alguns estudos já testam joguinhos digitais como uma ferramenta extra no combate à demência — os estímulos fortalecem conexões entre os neurônios.


“Esse estado contínuo de encarar novidades e realizar atividades desafiadoras, mas factíveis, provoca o cérebro de forma positiva”, explica o especialista em gerontologia.


Atenção aos limites

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o vício em games como doença, mas ainda não há estudos sobre o tamanho do problema entre idosos.


Mesmo assim, Fraga dá alguns conselhos para minimizar o risco de dependência. “É importante definir um tempo para jogar e não manter consoles dentro do quarto a fim de não exagerar. E não deixar de se exercitar para compensar as horas sentadas”, diz o geriatra.


0 visualização0 comentário